Psicologia

19/04/2016

Comunicação Emocional

Comunicação Emocional 

A comuicação Emocional ou Não Violenta tem como objetivo facilitar a expressão de verdadeiros sentimentos sem gerar uma guerra de egos. Você aprendeu a se comunicar por modelagem.  A família, o grupo de amigos, colegas de trabalho e o ambiente em que cresceu modelam a forma como você se comunica. Isto pode ter ocorrido de maneira inconsciente. Porém agora poderá exercitar de forma consciente. Isso exigirá treinamento, constância e coragem. 

Impressiona notar que a comunicação é realizada 90% pela linguagem não verbal,  ou seja,  pelo comportamento, expressão facial , tom de voz  e gestos.  Somente 10% é a linguagem verbal em si. A mesma palavra ou frase dita com tom de voz e gestos diferentes podem significar e gerar reações diferentes.

Se você tem que dizer repetidamente a mesma coisa a alguém, muito provavelmente você a esta dizendo de uma maneira pouco eficiente. Você pode estar  falando como você entenderia, como seria fácil a você, mas teu parceiro pode entender de outra maneira e ter outra forma de receber a mensagem e compreendê-la. Talvez você não esteja se comunicando de forma alguma, simplesmente explodindo. Isto acontece muito nos relacionamentos. A comunicação ganha um tom de catarse. Isso não é nada positivo. Catarse é bom na terapia. Normalmente as catarses que ocorrem na vida geram muitos problemas.

A Comunicação Emocional é uma Comunicação Consciente. O Diálogo é uma grande e importante ferramenta e, como tal, pode ser bem ou mal utilizada. Seguem algumas regras que são válidas nos momentos de conflito.

Existem alguma regras básicas para auxiliar nos momentos de conflitos.

Dicas simples para uma Comunicação Efetiva sem Violência.

 

Primeira regra é ir diretamente a FONTE do problema. Tenha claro que está lidando com a pessoa que é realmente a fonte do problema e que tem os meios de resolvê-los. Comum é ter problemas com o colega do trabalho e ir reclamar para o marido, mulher ou a mãe . Choramingar ou brigar com outros que não estão diretamente ligados ao conflito é um erro muito comum. Encarar a pessoa, fonte do conflito, pode ser difícil mas, conversar diretamente com os envolvidos é a única abordagem que pode trazer alguma chance de melhora no relacionamento.

Segunda regra é TEMPO E LUGAR. Escolher o melhor local e o momento para a discussão. Geralmente quando os ânimos ainda estão acalentados não é muito indicado. Espere a razão voltar. No momento da emoção a capacidade racional fica muito reduzida. O arrependimento das palavras proferidas pode ser dolorido. Aguarde o momento certo para reelaborar o conflito.

Em Terceiro lugar é utilizar uma ABORDAGEM AMIGÁVEL. O ataque só gera um contra-ataque. Para ser ouvido lembre-se de utilizar uma abordagem amigável. Um tom ameaçador ou autoritário poderá acabar com a discussão antes mesmo desta começar. Uma simples dica é utilizar o nome da pessoa. Prestamos maior atenção quando pronunciam nosso nome. Ápos isto direcione positivamente o tom da conversa antes de argumentar as razões dos desentendimentos.

Ápos isto o mais importante é manter a OBJETIVIDADE.  Vá direto ao ponto sem julgamentos nem criticas. Seja específico e descritivo em relação ao que ocorreu. Dizer a EMOÇÃO que aquela ação te causou colocará você como primeiro foco e fará com que o outro entenda o porquê de sua reação. Uma maneira educativa é colocar ápos a emoção, a tua real NECESSIDADE. Por exemplo: “Fulano, sua opinião é importante para mim (abordagem amigável), porém, me sinto desrespeitado (sentimento) quando chama a minha atenção em público(descrição objetiva, melhor do que “...quando você age como um idiota...”), preciso me sentir seguro e saber que não serei humilhado ou ferido diante de meus colegas(necessidade). Vamos conversar as sós.”

Esta comunicação efetiva sem Violência exige consciência e disposição. Geralmente não costumamos falar desta forma. Reagimos agressivamente ou nos calamos passivamente. A prática deta comunicação pode gerar maior confiança para falar de seus sentimentos e problemas interpessoais, facilita a comunicação e o entendimento. Cabe a nós escolher: reagir agressivamente, calar passivamente ou buscar uma comunicação efetiva. Qual será tua escolha?